Categoria: ERP

Gestão tributária: entenda a importância de um controle fiscal de qualidade

A negligência na organização fiscal pode prejudicar o avanço da sua empresa, saiba como um ERP pode ser a solução

Manter um negócio funcionando exige organização. O setor tributário da empresa não pode passar despercebido, nem ter sua relevância subestimada. Isso porque uma boa gestão tributária pode gerar ganhos, reduzir custos e melhorar resultados.

Por isso, vamos explicar o que é gestão tributária e quais as vantagens de um ERP nesse setor. Além disso, mostraremos as consequências de uma boa gestão tributária em comparação à uma gestão ineficiente.

O que é Gestão Tributária?

Gestão tributária é o controle do pagamento de impostos de uma empresa. A atividade envolve muitas tarefas, como planejamento, análise, controle financeiro, economia e controle das contribuições.

Dentro dessa área, existem diversas funções e delimitá-las é importante para o bom funcionamento do negócio.

No setor fiscal de uma empresa, por exemplo, há várias atribuições, como: emissão de notas fiscais; acompanhamento de atualizações das normas fiscais e tributárias; apuração dos tributos; etc.

Já na parte tributária, os encargos são: fazer o planejamento tributário; viabilizar a continuidade do serviço; cuidar dos tributos cabíveis a empresa; etc.

Ambos os departamentos precisam ser eficientes para que haja uma visão ampla da companhia, assim, possibilitando que ela tome decisões assertivas e prósperas.

Num contexto como o do Brasil, no qual há muitas burocracias e a legislação fiscal está em constante mudança, é fundamental que haja uma grande atenção voltada a esse ponto.

Dessa forma, é preciso estabelecer uma rotina fiscal clara. Isso ajuda a cumprir os prazos e as regras que esse ramo exige. Por consequência, isso evita erros, minimiza falhas e diminui a probabilidade de arcar com multas e autuações.

Quais as vantagens de um ERP na gestão tributária?

Todos esses trabalhos podem ser facilitados e melhorados quando se adota um ERP. Isso porque um software te fornece dados confiáveis e regulares para identificar o tempo certo de comprar e vender produtos, precificar a mercadoria e, desse modo, manter um equilíbrio entre a receita de saída e de entrada da empresa.

Adotar um software é investir em qualidade e em otimização de processos. É uma escolha que traz uma série de vantagens, entre elas:

– Redução de erros, pois um software permite saber, calcular e medir os riscos no âmbito tributário;

– Acesso aos benefícios fiscais, já que a automação fiscal realiza uma revisão tributária que explicita os créditos fiscais;

– Tomada de decisões inteligentes e estratégicas, porque o ERP destaca as áreas que precisam de mais atenção na empresa.

Mas a inteligência fiscal vai ainda mais além. Se você ainda tem dúvidas sobre as vantagens de ter um software como aliado do seu negócio, acesse o post sobre automação fiscal.

Boa gestão tributária x Gestão tributária ineficiente

Como desenvolver uma boa gestão tributária?

Uma boa gestão tributária tem como características principais o controle e a organização. Para a estruturação de um bom planejamento tributário, o controle das provisões financeiras e um sistema tecnológico adequado são essenciais.

Com uma gestão tributária eficiente, a empresa terá uma maior probabilidade de obter um custo fiscal menor, de crescer em seu mercado e de aumentar a competitividade. Logo, é importante que o empresário dê a devida atenção para esse setor, adotando um ERP.

Como evitar uma gestão tributária insuficiente?

Enquanto isso, uma gestão ineficiente é marcada pela execução de processos internos em desconformidade com o que a legislação tributária determina. Isso pode acontecer de diversas formas, tais como pela falta de organização e de documentação e pela ausência de controle nas movimentações da empresa.

O resultado disso são os riscos tributários. Ou seja, o negócio fica vulnerável ao pagamento de impostos indevidos, confusão operacional, superavaliação patrimonial, entre outros problemas.

Além disso, esse comportamento abre espaço para autuações, multas e até medidas judiciais. Ainda é válido considerar que isso tudo mancha a imagem da empresa, que vai precisar repassar o gasto extra ao preço final do seu produto.

Conclusão

Dirigir uma empresa é difícil e envolve escolhas. A gestão tributária é complexa, principalmente pelas mudanças constantes que a legislação sofre. Logo, optar por um ERP é uma saída inteligente, prática e segura, uma vez que essa tecnologia tem como propósito atender as necessidades específicas do seu negócio.

Fontes:
https://www.alertafiscal.com.br/blog/departamento-fiscal-e-tributario-entenda-as-principais-diferencas/
https://www.blbbrasil.com.br/blog/planejamento-tributario/
https://www.segatocontabilidade.com.br/como-proteger-sua-empresa-riscos-tributarios
https://www.casamagalhaes.com.br/blog/legal-e-tributario/o-que-e-gestao-tributaria/

Pix sem internet: saiba detalhes sobre o QR Code do pagador

Entenda o que é o QR Code do pagador e como ele impacta na gestão empresarial

Já detalhamos aqui no blog duas novidades do PIX para esse ano: as funções saque e troco. Mas, ainda há mais algumas informações que o empresário precisa saber para seu negócio continuar atualizado. Uma delas é que, a partir de novembro, também haverá a possibilidade de utilizar o PIX sem internet, por meio de um QR Code do pagador.

Para saber se essa inovação se adequa à sua empresa é necessário compreender como ela funciona e como ela impacta na gestão do seu negócio. Nesse post, vamos trazer esses esclarecimentos, além de mostrar como o iCom pode ter um papel facilitador na hora de optar pela nova ferramenta do PIX.

O que é o QR Code do Pagador?

Desde que lançou o PIX em 2020, o Banco Central tem elaborado novas funções para aprimorá-lo, deixando-o cada vez mais eficiente. Como fruto dessa agenda de melhorias do serviço, a instituição anunciou em abril de 2021 o QR Code do pagador.

O QR Code do pagador é uma função que permitirá que os clientes paguem por PIX mesmo se estiverem sem internet. Dessa forma, a ferramenta fica mais democrática, pois muitas pessoas não possuem um grande pacote de dados.

O QR Code do pagador funcionará da seguinte forma: o cliente mostra o QR Code e o estabelecimento lê o código para efetuação do pagamento. O que acontece atualmente, sem essa ferramenta, é o inverso: a loja apresenta o QR Code e o freguês faz o pagamento por PIX.

Além disso, o QR Code do pagador vai proporcionar que terceiros façam pagamentos por PIX, usando um app ou um código impresso, sem ter acesso à conta de quem está pagando. Essa função será útil para que pais façam pagamentos à distância para filhos, por exemplo.

Como esta novidade vai impactar a gestão empresarial?

Haverá duas alternativas ao empresário: a modalidade básica, obrigatória para todas as instituições participantes do PIX e com funções limitadas; e a avançada, que pode ou não ser adotada pelas instituições e oferece mais opções de uso.

Versão básica do Pix Sem Internet

Na versão básica há mais restrições: o valor máximo para pagamento é de 200 reais; o acesso é liberado somente para o titular da conta; e o QR code gerado tem o limite de um único uso, que perde a validade em 5 minutos.

Versão avançada do Pix Sem Internet

Já na versão avançada as transações podem chegar a 2 mil reais; o uso é permitido pelo dono da conta e por terceiros; e o usuário pode gerar diferentes códigos para diferentes usos.

Vantagens do QR Code do Pagador

Para lojistas, receber o pagamento por meio de uma transferência PIX há vantagens, como a compensação da transação ser instantânea, diferentemente do cartão. É válido ressaltar que os clientes também vão procurar por estabelecimentos que ofereçam essa opção. Logo, as empresas que não se atualizarem, vão ficar em desvantagem.

Cabe ao empresário analisar sua realidade e ver qual é a melhor escolha para seu negócio. O iCom pode te ajudar nisso, pois ele possibilita o controle de caixa completo e registros automáticos para a comprovação em impostos. Assim, fica mais fácil tomar uma decisão estratégica, que vai contribuir com o crescimento da sua empresa.

Conclusão

Como mostramos no texto sobre o Pix Saque e o Pix Troco, novidades relacionadas ao Pix afetam seu estabelecimento. Elas surgem para facilitar a vida do cliente e também a do comerciante e ignorá-las é ficar ultrapassado. 

Para realmente ter benefícios com a chegada de novas ferramentas, é preciso saber aproveitar da melhor forma as inovações. Nesse sentido, o iCom é um grande parceiro, já que ele promove a automação de processos no negócio e sempre se mantém atualizado. Além disso, no nosso blog explicamos diversas atualizações do universo empresarial.
Confira nossos últimos posts: Desvendando o PIS e 10 erros que impedem o crescimento do seu negócio.

Fontes:
https://blog.nubank.com.br/novidades-pix-banco-central-anuncia-novas-funcoes-para-2021/
https://blog.nubank.com.br/qr-pagador-pix-vai-funcionar-sem-internet-entenda/
https://blog.nubank.com.br/qr-pagador-pix-vai-funcionar-sem-internet-entenda/
https://www.contabeis.com.br/noticias/48275/pix-opcao-qr-pagador-funcionara-mesmo-sem-internet-e-pode-ser-pago-por-terceiros/

Desvendando o PIS

Entenda o que é o Programa de Integração Social e como ele está presente na rotina das empresas

O empresário precisa pagar diversos impostos para garantir o funcionamento do seu negócio. Entre eles está o PIS, uma contribuição que muitos conhecem pelo nome, mas, muitas vezes, não sabem ao certo como é calculada e qual é sua importância.

Nesse texto, vamos trazer informações sobre a definição e as funções do PIS, além de indicar uma forma segura de lidar com esse tributo: a automação fiscal.

O que é o PIS?

O Programa de Integração Social, ou PIS, é uma contribuição social no âmbito de competência da União. Isso quer dizer que o montante arrecadado com esse programa não se destina aos Estados e municípios. Dessa forma, essa receita tem como finalidade a promoção da integração social dos trabalhadores.

Como o PIS é voltado aos funcionários de empresas privadas, a instituição responsável pela administração do dinheiro arrecadado é a Caixa Econômica Federal.

O PIS costuma ser relacionado ao COFINS, pois ambos possuem a mesma base de cálculo. Porém, eles são impostos distintos, tanto que suas regulamentações são diferentes entre si. Enquanto o PIS é instituído pela Lei Complementar nº 7, de 7 de setembro de 1970, o COFINS é estabelecido pela Lei Complementar nº 70, de 30 de dezembro de 1991.

Como o PIS funciona?

O PIS incide sobre a totalidade das receitas do contribuinte e é recolhido mensalmente. Há duas formas de se calcular o valor do imposto: pela incidência cumulativa ou pela incidência não cumulativa.

Além disso, é importante ter conhecimento de 3 termos para entender como funciona a cobrança do imposto: a base de cálculo, que se refere ao valor que servirá de referência à cobrança do tributo; o fator gerador, isto é, a operação de recolhimento de receita pela empresa; e os contribuintes, que diz respeito ao regime tributário.

Qual a funcionalidade desse tributo?

Para a esfera pública, o PIS é uma forma de garantir direitos determinados por lei aos trabalhadores.

Já para os empresários, pagar o PIS é uma maneira de assegurar a idoneidade do negócio, pois dessa forma há a garantia que os funcionários receberão o benefício.

Como o pagamento do tributo afeta o cotidiano empresarial?

Conduzir um negócio implica lidar com tributos. O PIS, assim como as outras contribuições, possui suas particularidades, seja no modo de fazer o cálculo, seja na periodicidade do pagamento. É por conta da existência de tantos impostos, com tantos pormenores, que gerenciar a parte tributária de uma empresa é uma tarefa muito complexa.

Entretanto, já é possível encontrar maneiras de unir praticidade e segurança nas questões tributárias. Um exemplo disso é a inteligência fiscal, que poupa tempo e diminui as chances de erro!

Tudo isso é feito por meio de um software de automação fiscal, como explicamos nesse post. O iCom oferece essa solução, faça já seu orçamento!

Fontes:
https://www.caixa.gov.br/beneficios-trabalhador/pis/Paginas/default.aspx/DVWA
https://www.caixa.gov.br/beneficios-trabalhador/pis/Paginas/default.aspx

10 erros que impedem o crescimento do seu negócio

Conheça os motivos que atrapalham o progresso da sua empresa e saiba como se proteger desses problemas

Ganhar dinheiro e ter sucesso é a premissa de todos os negócios. Mas, alcançar esse objetivo nem sempre é uma tarefa simples. Isso porque, na rotina empresarial, há várias armadilhas que podem prejudicar o bom funcionamento da companhia.

Ter conhecimento dos principais desafios presentes no caminho para um negócio bem sucedido evita tropeços. Pensando nisso, listamos 10 erros que devem ser evitados para preservar o crescimento da sua empresa:

1. Não estar atento ao que acontece em seu negócio

É importante estar informado sobre as movimentações contábeis da sua companhia, porque esses dados servem como base para decisões estratégicas. Isso é possível por meio de um software de gestão financeira, como o iCom, que realiza diversas ações para que o empresário faça atuações certeiras. Entre elas, podemos citar a produção de relatórios completos de acordo com a realidade da empresa.

2. Não ter planejamento e organização na empresa

A má gestão pode atrapalhar a empresa de diversas formas. Um exemplo é a falta de coerência entre o estoque e a demanda. Nesse caso, o iCom oferece um controle de estoque assertivo, monitorando os pedidos dos clientes.

3. Acumular todas as funções para si

Para ter um negócio próspero é fundamental contar com uma boa equipe e também com a ajuda da tecnologia. O empresário precisa estar por dentro do que acontece na empresa, mas, além disso, é importante que ele confie em profissionais e softwares especializados para a realização de tarefas que ele não domina. Logo, contar com um ERP, como o iCom, facilita a rotina da companhia, pois ele otimiza processos cotidianos e automatiza dinâmicas operacionais.

4. Ignorar a concorrência

O mercado está cada vez mais competitivo. Para se destacar é preciso ter diferenciais e, assim, cativar fregueses. O iCom te ajuda nisso, pois proporciona um melhor tempo de resposta ao mercado. Esse benefício é resultado da melhora de comunicação entre os setores da empresa e da disposição organizada das informações.

5.  Misturar pessoa física e pessoa jurídica

Usar verba da companhia para compras pessoais ou gastar dinheiro próprio para fins empresariais é um grande erro. Isso compromete as finanças do seu negócio, interferindo no balanço financeiro dele. Evitar esse problema pode ser simples: adotando um ERP, tal como o iCom, sua empresa automatiza os processos de cada área, promovendo o controle do fluxo de caixa.

6. Não acompanhar as mudanças

As empresas lidam com alterações constantemente. Os processos tecnológicos, financeiros e mercadológicos sempre mudam e o seu negócio precisa estar sincronizado com as atualizações do mercado. Entre as novidades no mundo empresarial que beneficiam as empresas está o ERP, uma tecnologia que interliga todos os dados e processos de uma organização em um único sistema.

7. Administrar mal o lucro

Não saber lidar com o lucro pode prejudicar o rumo da sua empresa. Há várias questões neste tópico, como onde e de que forma reinvestir esse dinheiro. Nesse sentido, o iCom reduz drasticamente os riscos financeiros e os gastos exacerbados, potencializando o seu lucro.

8. Negligenciar as obrigações do seu negócio

Não há escapatórias: ter uma empresa requer o pagamento de impostos. Empresários precisam estar regulares perante ao Fisco para terem sucesso. Caso contrário, virão multas e sanções. Logo, é preciso ter conhecimento sobre quais tributos devem ser pagos, com qual frequência e qual é a sua influência para a gestão empresarial. Nessa hora, a melhor coisa é contar com a automação fiscal, serviço oferecido pelo iCom. Assim, um software se responsabilizará por cuidar dos impostos da empresa, trazendo economia de tempo e segurança ao empreendedor.

9. Não priorizar o cliente

Inserir produtos ou serviços que não estejam de acordo com o que o consumidor deseja é ineficaz para alavancar as vendas do seu negócio. É necessário considerar o cliente na hora de fazer a gestão da empresa. Tendo isso em mente, o iCom te auxilia por meio da produção de dados sobre tendências de compras e através da flexibilização da relação com o cliente e do controle de estoque, fornecendo aquilo que o freguês necessita.

10. Insistir em processos manuais

Há muitos processos dentro de uma empresa: gestão de estoques, emissão de boletos, controle de fluxo de caixas, etc. Essas são só algumas das atividades que uma empresa deve realizar. Encarregar-se dessas funções repetitivas é exaustivo. Uma boa alternativa para isso é o que o iCom faz: automatizar processos. O efeito disso é ganho de tempo útil para investir em outros processos da empresa e para resolver questões operacionais de forma mais ágil.

Ter um negócio não é fácil, é preciso de conhecimentos e investimentos. Agora que você está ciente dos principais erros a serem evitados, ficará mais fácil administrar sua empresa.

Mas você sabe o que também ajuda no desenvolvimento do seu negócio? Como essa lista indicou, o apoio de um ERP traz mais segurança, comodidade e eficiência à empresa. É isso que o iCom se propõe a ser: um software para colaborar com o sucesso das empresas.
Faça o seu orçamento aqui!

Fontes:
https://valorinveste.globo.com/blogs/seu-negocio/post/2021/08/5-erros-que-todo-empreendedor-deve-evitar.ghtml
https://www1.folha.uol.com.br/mpme/2020/08/aprenda-a-evitar-dez-erros-comuns-na-hora-de-abrir-um-negocio.shtml

Confira as principais características da COFINS

Entenda como o pagamento da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social afeta o cotidiano empresarial

Os encarregados em lidar com a rotina fiscal de uma empresa sabem que existem muitos impostos e que cada um deles tem sua particularidade. Mas uma coisa eles têm em comum: seu pagamento é indispensável para o bom desempenho da empresa.

Por isso, é importante entender os pontos mais relevantes sobre a COFINS e como o iCom pode trazer praticidade e segurança ao setor tributário da sua empresa.

O que é COFINS?

COFINS é a sigla para Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social. Trata-se de um imposto federal, cobrado com base na receita bruta das empresas.

O tributo em questão foi criado em 1991, instituído pela Lei Complementar 70. Ele deve ser pago pela maioria das empresas. As exceções são: o Microempreendedor Individual (MEI), as Microempresas (ME) e as Empresas de Pequeno Porte (EPP), que estão enquadradas no regime tributário Simples Nacional.

Para pagar a COFINS é necessário emitir o Documento de Arrecadação de Receita Federal, ou DARF, que possui uma guia para cada imposto. O prazo para o pagamento é sempre o dia 25 de cada mês.

Junto com a COFINS, também é cobrado o PIS. Mas é válido ressaltar que eles são impostos distintos, com alíquotas e finalidades diferentes.

Qual a finalidade desse imposto?

A COFINS tem a função de arrecadar verba para o financiamento da seguridade social. Ou seja, o governo destina esse dinheiro à previdência, à saúde e à assistência social aos trabalhadores, por exemplo.

Enquanto isso, para o empresário, o pagamento desse tributo serve para ter conhecimento dos custos de sua mercadoria e também para se manter regular perante ao fisco.

Como é o pagamento desse tributo?

A COFINS é calculada a partir da receita total da empresa. Há duas opções para a cobrança do imposto: por meio do regime cumulativo, para companhias com lucro presumido, com uma alíquota de 3%; ou pelo regime não cumulativo, para negócios com lucro real, tendo a alíquota de 7,6%. 

Por mais que uma das modalidades pareça mais barata, é preciso de uma análise individual a fim de decidir o que compensa para cada negócio. Isso porque somente o regime não cumulativo oferece o benefício do recolhimento da diferença entre débitos e créditos. Desse modo, o regime cumulativo não permite nenhum desconto de crédito.

Quando se fala em COFINS, de que forma o iCom pode auxiliar?

Assim sendo, percebe-se que o empresário tem muitos deveres e obrigações para manter um negócio operando adequadamente. A COFINS é só um dos diversos impostos que uma companhia tem que lidar e apenas ela já demanda muita atenção do comerciante para ser paga na forma mais vantajosa e para não ocorrer atrasos ou incoerências.

Pensando em trazer soluções para o setor tributário de uma empresa, o iCom possui Inteligência artificial em seu software. O resultado disso é uma rotina fiscal organizada e eficiente, como explicamos nesse post sobre automação tributária.

Fontes: 
https://nfe.io/blog/financeiro/o-que-e-cofins/
https://fgvprojetos.fgv.br/sites/fgvprojetos.fgv.br/files/artigo_schontag_cofins.pdf

Fique por dentro das últimas modificações na Tabela da Nomenclatura Comum do Mercosul

Saiba como seu negócio pode lidar com a atualização da Tabela NCM que entrará em vigor em outubro

A Tabela NCM é extensa e costuma ser alterada de tempos em tempos com a adição de novos códigos, e retirada de outros. A mudança mais recente passará a valer no dia 1 de outubro.

Apesar da tabela em questão ser disponibilizada pela Secretaria da Fazenda (Sefaz), é muito mais cômodo e eficiente ter o apoio de um ERP para encarar tantos códigos. Para facilitar, a i12 Sistemas explica tudo o que você precisa saber sobre a Nomenclatura Comum do Mercosul, as modificações mais atuais da Tabela NCM e como otimizar seu negócio.

O que é a NCM?

A Nomenclatura Comum do Mercosul, ou NCM, é um código utilizado para identificar e categorizar produtos comercializados no Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. A Nomenclatura é composta por 8 dígitos e é obrigatória em notas fiscais.

Para evitar multas e outros problemas, é preciso preencher o código corretamente. Logo, isso requer estar atento à tabela NCM e suas alterações.

Quais são as mudanças mais recentes?

A partir de outubro de 2021, a Tabela NCM terá algumas atualizações: serão excluídos 10 códigos e introduzidos outros 10. As alterações foram determinadas na Resolução Gecex n° 245, do dia 9 de setembro e publicada no DOU no dia 13 de setembro.

Além disso, é importante lembrar que a tabela passou por outras modificações esse ano. Em junho de 2021, por exemplo, foi publicada a versão 2.00 da Nota Técnica 2016.003, determinando a exclusão de 14 NCMs e a inclusão de 49 NCMs. Em fevereiro de 2021, também foi anunciada outra mudança, válida a partir de abril, que inclui dois códigos e excluiu outros dois.

Por que é vantajoso ter o iCom como aliado quando se fala em NCM?

Percebe-se que a Tabela NCM é extensa e complexa, além de ser modificada com frequência. Assim, para não ter problema com essas mudanças, é importante que seu negócio esteja alerta!

O iCom auxilia as empresas no acompanhamento das alterações tributárias de forma automática, por conta da sua plataforma online e das suas atualizações constantes. O resultado disso é segurança e praticidade na sua rotina fiscal.

Conte com os benefícios que o nosso software de Planejamento de Recursos Empresarias (ERP, na sigla em inglês) oferece! Faça já o seu orçamento: https://bit.ly/3t7EAV3

Conheça o Pix Saque e o Pix Troco

Entenda as novas ações do Banco Central que têm tudo a ver com a tendências de automação fiscal no seu negócio

No final de 2020 surgiu o Pix, prometendo facilidade e rapidez nas transferências e nos pagamentos. Cerca de um ano depois desse lançamento, mais duas novas modalidades serão oferecidas: o Pix Saque e o Pix Troco.

O Banco Central anunciou essas propostas no início de setembro e elas funcionarão a partir de 29 de novembro. Para o comerciante avaliar se compensará a adesão dessas opções, é preciso esclarecer as funcionalidades, os objetivos e os impactos das modalidades.

O que é o Pix?

O Pix é um meio de pagamento instantâneo e gratuito, que foi criado com o objetivo de tornar as transferências entre pessoas e o pagamento de contas mais prático. Seu grande diferencial é a rapidez, pois ele permite que se faça transferências em qualquer dia e horário em tempo real.

O Pix foi elaborado pelo Banco Central e começou a vigorar em novembro de 2020. Ele é uma alternativa a outras formas de transferência, como TED e DOC.

O que é o Pix Saque e o Pix Troco?

Pix Saque e Pix Troco são as novas funcionalidades que os negócios poderão oferecer aos seus clientes. Essas opções vão possibilitar que as pessoas saquem dinheiro em espécie por meio do Pix em estabelecimentos cadastrados para isso.

O Pix Saque funcionará da seguinte forma: o cliente faz um Pix ao comércio e recebe ele de volta em dinheiro físico. Já no Pix troco, o dinheiro físico recebido é a diferença entre o valor da compra e o valor pago ao estabelecimento pelo Pix. Ambos serão realizados por meio da leitura de um QR Code.

Os negócios que disponibilizarem essas funções terão como resultado a redução de dinheiro em espécie no caixa, o que pode diminuir gastos com segurança e transporte de valores e atrair fregueses, por exemplo.

Os estabelecimentos não são obrigados a dispor desses serviços. Mas aqueles que desejam se cadastrar precisam buscar a instituição que os atende e pedir para adotar o sistema.

É válido destacar que o comerciante tem poder de decisão sobre os dias e os períodos que ofertará as modalidades, além das informações sobre os valores.

Conclusão

A ação do Pix Saque e do Pix Troco objetivam a automação de processos nos negócios e a facilidade para diversos tipos de comerciantes e de clientes. Essas modalidades podem ser vantajosas ao seu negócio, uma vez que possuem potencial de trazer uma melhor gestão do dinheiro e de dar visibilidade aos seus produtos ou serviços.

O Pix Saque e o Pix Troco também vão instigar a competitividade no mercado, pois contribuem com a oferta de serviço de saque.

É importante estar atento às atualizações que podem impactar seu estabelecimento. Por isso, estamos sempre apresentando informações relevantes ao desenvolvimento do seu negócio. Já comentamos sobre os benefícios da automação tributária, a utilidade do IPI, entre outros temas de interesse de empresas. Confira esses e os demais posts pelo nosso blog.

Fontes:
https://economia.uol.com.br/guia-de-economia/o-que-e-pix-tudo-sobre-o-novo-sistema-de-pagamentos.htm
https://www.correiobraziliense.com.br/economia/2021/09/4947625-saiba-tudo-sobre-as-novas-modalidades-do-pix-pix-saque-e-pix-troco.html
https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/09/02/pix-saque-e-pix-troco-comecam-a-funcionar-em-29-de-novembro-informa-banco-central.ghtml

Entenda a influência da Automação Tributária ao seu negócio

Saiba como a inserção da inteligência fiscal pode facilitar a relação da sua empresa com questões tributárias, como o preenchimento da NCM e o pagamento do ICMS

Você sabe o que é Automação Tributária? Entende o que são ações de inteligência fiscal? Encarregar-se do setor tributário de um negócio é uma tarefa complexa. Os processos dessa área, quando feitos manualmente, são repetitivos e confusos. 

Considerando o modelo altamente competitivo do mercado, assumir pessoalmente as atividades fiscais torna-se um desperdício de tempo e dinheiro. Por isso, cada vez mais as empresas estão percebendo que recorrer à automação tributária traz muitas vantagens.

O que é Automação Fiscal?

Para um negócio ter sucesso, é indispensável que ele fique em dia com a Receita Federal. A tecnologia proporciona soluções para lidar com a rotina fiscal empresarial de forma produtiva e inteligente, é nesse ponto que entra a Automação Fiscal.

Automação Fiscal é fazer a gestão de tributos de uma empresa por meio de um software. Entre seus benefícios principais estão: poupança de tempo; confiança e rapidez na tomada de decisões; e diminuição da chance de erro.

Quais as consequências de declarações tributárias incorretas?

Não pagar o ICMS e ficar em inadimplência com o Fisco, perdendo benefícios fiscais; errar o código da NCM e enfrentar cobrança indevida de impostos; usar o CFOP incorreto e ter que arcar com tributações indevidas. Esses são alguns exemplos do que acontece quando não se tem uma boa gestão fiscal.

Dessa forma, percebe-se que não cumprir com as obrigações tributárias pode gerar muitas consequências negativas à sua empresa. Logo, a automação tributária impede a ocorrência de erros e retrabalho, que são empecilhos na rotina do comerciante, dando segurança nas operações da empresa.

Por que a automação tributária é um diferencial para o seu negócio?

Para não ficar ultrapassado em relação aos concorrentes é preciso se adequar e ter a produtividade como foco. Investir na automação tributária é uma forma de se atualizar e garantir operações mais eficientes.

Alguns dos efeitos que comprovam que vale a pena o investimento na automação tributária são: 
– Padronização e organização nos processos; 
– Mais velocidade e agilidade para encontrar informações; 
– Priorização de outras tarefas, já que não há necessidade de gastar tempo com tarefas minuciosas e repetitivas.

Soluções oferecidas pelo iCom com a automação tributária

A automação tributária realizada pelo iCom promove muitos ganhos ao seu negócio!

Na questão fiscal, esse ERP tem as seguintes qualidades:
– Ser um sistema com inteligência fiscal. Isso significa que a nossa tecnologia auxilia a adequar a codificação fiscal correta, evitando o pagamento de impostos exagerados e de multas por erros ou atrasos.

– Ter um sistema que se atualiza de forma automática, se adequando às alterações na legislação e mudanças nas regras Federais e Estaduais, sendo assim, muito cômodo para o empresário. Além disso, o iCom tem uma aplicação Web que permite atualizações constantes e uma equipe de suporte técnico ativa.

– Fazer o cadastramento de mercadorias ou serviços, garantindo que todos os itens sejam analisados, independente da presença de código de barras. Isso é feito por meio da inteligência artificial, e tem como resultado a assertividade de registros e correspondência tributária.

Fontes:
https://www.thomsonreuters.com.br/pt/tax-accounting/onesource-mastersaf/blog/vantagens-da-automatizacao-de-processos-na-gestao-tributaria.html
https://www.grantthornton.com.br/insights/artigos-e-publicacoes/automacao-das-areas-tributarias-e-fiscais-como-realizar/

Saiba as consequências da manutenção de dívidas MEI

Manter as contas em dia é fundamental para aproveitar os benefícios de ser Microempreendedor Individual

O que é MEI?

MEI significa Microempreendedor Individual e faz referência ao trabalhador autônomo. Tornando-se um MEI, você passa a ter benefícios, direitos e obrigações de pessoa jurídica. Alguns exemplos das facilidades adquiridas com esse cadastro são: ter acesso a produtos e serviços bancários, como crédito, e poder emitir nota fiscal.

Ser MEI requer algum pagamento?

Para seguir com o MEI, é preciso pagar mensalmente o Simples Nacional. O cálculo deste imposto é feito da seguinte forma: 5% do limite mensal do salário mínimo e mais um real a título de ICMS, caso seja contribuinte desse imposto e/ou cinco reais a título de ISS, caso seja contribuinte. Esse pagamento pode ser feito por meio de débito automático, online ou emissão de Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS).

Quais as consequências de não fazer a manutenção dos débitos do MEI?

O valor que o microempreendedor precisa desembolsar todo mês é importante, pois garante uma série de vantagens: direito à aposentadoria por idade ou invalidez; auxílio doença; pensão por morte para família; salário-maternidade; entre outros ganhos.

O último dia de agosto marcou a data limite de regularização das dívidas de MEI referentes a impostos junto à Receita Federal. Manter os pagamentos em dia é essencial para continuar contando com os benefícios previdenciários e com as facilidades de acesso ao crédito.

Esqueci o prazo! E agora?

Após o dia 31, o MEI que não regularizou suas dívidas entra para o cadastro da Dívida Ativa da União. Essa pendência pode ser quitada ou renegociada na página do Portal do Empreendedor (gov.br) ou no portal do Simples Nacional.

Além disso, o MEI deve saber que deixar de regularizar suas dívidas com a Receita Federal traz muitas consequências, entre elas a perda da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica e dos benefícios do INSS. Também é relevante considerar que após 31 de agosto, a data limite de pagamento,  esse débito será cobrado na justiça, com juros e outros encargos previstos em lei.

Conclusão

Pagando as dívidas no tempo estipulado, o MEI garante a continuidade e a qualidade do seu trabalho. Isso porque evitará a cobrança de juros e a irregularidade com a Receita Federal e continuará usufruindo dos benefícios do cadastro

Para isso, o MEI pode consultar os débitos em cobrança no Programa Gerador do DAS para o MEI (PGMEI), com certificado digital ou código de acesso, na opção “Consulta Extrato/Pendências > Consulta Pendências no Simei”. Esta opção também permite a geração do DAS para pagamento. Já o parcelamento pode ser feito acessando o e-CAC ou pelo Portal do Simples Nacional.

Independente do tamanho de sua empresa, o iCom pode ser um grande aliado no controle de impostos e outras obrigações jurídicas. A fim de evitar irregularidades e garantir o melhor funcionamento do seu negócio, tenha o iCom como ERP da sua empresa. Faça agora o seu orçamento!

Fontes:
https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-o-mei,caa7d72060589710VgnVCM100000d701210aRCRD
https://www.agenciasebrae.com.br/sites/asn/uf/NA/mei-tem-ate-31-de-agosto-para-pagar-ou-negociar-impostos-junto-a-receita-federal,f4f8bbcf3287b710VgnVCM100000d701210aRCRD
https://revistapegn.globo.com/MEI/noticia/2021/08/mei-tem-ate-31-de-agosto-para-pagar-ou-negociar-impostos-junto-receita-federal.html

IPI: Entenda o Imposto sobre Produtos Industrializados

Fique por dentro da definição, utilidade e  funcionamento do Imposto sobre Produtos Industrializados

O que é?

IPI é a sigla para Imposto sobre Produtos Industrializados. Ele é um tributo federal indireto, que incide em uma mercadoria, seja ela nacional ou importada, quando sai da fábrica. Seu recolhimento é feito por meio do DART, Documento de Arrecadação de Receitas Federais.

O IPI atualmente é regulamentado pelo decreto n° 7.212 de 15 de junho de 2010. Sua criação aconteceu por meio da Constituição Federal de 1988, mas, antes disso, impostos similares a ele já existiam, como o Imposto sobre o Consumo, de 1891.

Como o IPI funciona?

O Imposto sobre Produtos Industrializados não dispõe de uma alíquota fixa. Isto é, o valor tributário a ser pago muda conforme o tipo de produto comercializado. Para obter essa informação, é preciso consultar a Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados, ou TIPI, na qual todas as alíquotas estão presentes.

Os valores das alíquotas do IPI contidos na tabela podem ser alterados pela Presidência da República por meio de um decreto. Mas é importante saber que esses números são definidos pela seguinte lógica: produtos consumidos diariamente, como alimentos, têm alíquotas mais baixas; enquanto mercadorias nocivas à saúde, como o cigarro, possuem tarifas mais altas.

De forma simples, o recolhimento do Imposto sobre Produtos Industrializados funciona assim: quando um produto nacional sai de uma fábrica, o IPI é cobrado. Em produtos estrangeiros, o tributo incide quando o item passa pela alfândega brasileira.

Qual a utilidade do IPI?

O Imposto sobre Produtos Industrializados exerce funções de extrema importância em diversos níveis.

Em primeiro lugar, ele atua como ferramenta de regulamentação do mercado. Isso porque esse tributo tem caráter extrafiscal, ou seja, ele tem como objetivo estimular ou desestimular determinados comportamentos sociais ou econômicos. Um exemplo desse funcionamento do IPI é o encarecimento final de itens que causam danos à saúde, como bebidas alcoólicas.

No âmbito governamental, o imposto é uma das formas de se arrecadar fundos para o funcionamento da máquina pública. O Governo também usa o IPI como forma de movimentar a economia do país, já que o tributo influencia na quantidade de venda de um item.

Outra utilidade do IPI é fortalecer a indústria brasileira, colocando produtos nacionais industrializados em igualdade aos importados. Para empresas, o IPI também tem um grande papel, pois esse tributo impacta diretamente no preço final que será cobrado dos clientes.

E em caso de erros, tenha o iCom como aliado

O preenchimento indevido da nota fiscal traz diversos prejuízos ao seu negócio. Informar o NCM incorreto ou errar o cálculo da alíquota do IPI são descuidos que podem custar caro.

A NCM e o IPI têm algo em comum: para ter exatidão, ambos precisam da TIPI. Essa tabela contém todos os códigos da NCM e todos os valores das alíquotas do IPI. Assim, o bom uso dela, protege seu negócio de penalidades com a Receita Federal.

Já falamos anteriormente sobre a  Nomenclatura Comum do Mercosul e explicamos a importância de ter cuidado na hora de classificar a mercadoria. Um dos problemas gerados por imprecisões é em relação às alíquotas de IPI na comercialização e circulação desses produtos que, nos piores casos, pode ocasionar em mercadorias presas na alfândega ou até mesmo devolvidas a seu país de origem.

Além disso, utilizar um NCM errado acarreta numa mudança de alíquota que pode causar irregularidades nas despesas do seu   negócio. Logo, a realização correta de todos os trâmites que envolvem a NCM e o IPI é fundamental.

Para não correr riscos e garantir que todos os processos tributários sejam feitos de forma apropriada, conte com o iCom. Com esse software, os processos da sua empresa ficam automatizados, o que aumenta a produtividade e agiliza processos. Além disso, ainda há outros benefícios, como auxílio na tomada de decisões estratégicas e redução de custos e riscos.

Fontes:
https://nfe.io/blog/nota-fiscal/o-que-e-ipi/
http://receita.economia.gov.br/acesso-rapido/tributos/ipi-old
https://blog.nubank.com.br/o-que-e-ipi/
https://cr.inf.br/blog/entenda-definitivamente-a-ncm-e-evite-imposto-indevido/

New Tweet